Poema | Devasso | Tony Casanova

Poema | Poesia

"Devasso"

Poema do Escritor Tony Casanova.
Obra fictícia com todos os Direitos Reservados ao autor.
Proibida o uso para qualquer fim, do todo ou parte dele, utilizando-se qualquer meio ou divulgação de qualquer natureza, sem autorização prévia e expressa do autor. O desrespeito consiste em infração ás Leis brasileiras e internacionais de proteção aos direitos de propriedade intelectual e está passiva de punição dentro das Sanções cabíveis.

Estive doente em meu pensamento
Talvez insano, por um momento.
Ou todo tempo profano, não sei.
Tudo que sei é que me passou a vida,
Como num flash, faísca atrevida,
Madura, mas impura também,
Enchendo-me de desejos ocultos
Tirando-me o corpo do sério.
Devaneios, impropérios,
Tudo me veio á mente àquela hora
Já não era decente desfrutar do penso
Nem mesmo cogitar a vontade louca
Aquele desejo, aquele anseio,
Aquela boca, carnuda, viva,
Como me falta lucidez agora,
Como me sobram pensamentos insanos,
Muitos profanos, impuros.
Descobri com esta mente doente,
Que seduzia meus movimentos,
Que não podia controlar as minhas mãos,
Muito menos meus pensamentos.
Queria, queria e queria,
E de tanto querer toquei-me
E de tanto tocar-me, me esvai,
Derramando-me em vontades
E loucuras de tanto desejar
Aqueles meus pensamentos.

Por Tony Casanova